Crítica: O Regresso

13:30

Foto: Adoro Cinema

A fotografia do filme é a característica mais elogiada, sem sombra de dúvidas, e é feita por Emmanuel Lubezki, muito elogiado por seu trabalho em A Árvore da Vida. Ele trabalha com sequências incríveis de paisagens e com luz natural, ou seja, nenhuma luz artificial, nenhuma luz de estúdio. Mas o efeito azulado foi utilizado para aumentar a melancolia do filme. São poucas as cenas quentes. O filme trabalha e “arrasta” uma melancolia pesada, sofrida, durante toda a história. E é aí que entra a brilhante atuação de Leonardo DiCaprio.

Foto: A Gambiarra

Ele trabalha com pouquíssimas falas e diálogos pouco extensos. É um personagem que transmite sentimentos, ele transmite agonia durante todo o sofrimento que Glass passa. Ele atua muito mais com expressões faciais, com o corpo em si. A maquiagem colaborou muito, não podemos deixar de frisar, pois depois que ele é atacado pelo urso, seu corpo fica muito machucado, cheio de cortes profundos e arranhões. O frio também provoca lábios e pele ressacados.

Foto: L'express

E ah... O ataque do urso é uma das cenas mais famosas. DiCaprio reagiu muito bem. A cena causa agonia, é explicitamente dor e um dos momentos mais fortes do filme. Se o DiCaprio não tivesse lavado o Oscar dessa vez... Não levaria nunca mais. O Regresso é inspirado em fatos reais, então pode ser considerado uma obra de arte que representa totalmente a realidade.

O filme também pode ser considerado cansativo. Muitas pessoas que esperam ação ou até mesmo guerras como a do começo do filme podem se decepcionar, podem ficar cansadas de ver.


Já o personagem do Tom Hardy, Fitzgerald, que seria o “vilão”, não é tão vilão assim. Ele é apenas egocêntrico e não sente prazer em fazer o mal. Ele não trabalha bem em grupo, ele se preocupa apenas em sobreviver e nas recompensas que irá receber. Há um drama por trás, um certo rancor do que fizeram com ele que é representado por sua cabeça machucada (ressalto outra vez a ótima maquiagem).

Foto: Google

Alejandro González dirigiu o filme com muita maestria. Isso rendeu para ele o Oscar de Melhor Diretor; para DiCaprio de Melhor Ator; e para Lubezki de Melhor Fotografia. Como se não bastasse, 3 Globos de Ouros, entre outras premiações.

Para finalizar, depois do ataque do urso, o filme começa a correr um pouco mais lento. Nós podemos acompanhar o sofrimento de Hugo e até sentir um pouco de agonia com tudo o que acontece. Ele fica paralisado e não pode fazer muito pelas pessoas que estão ao seu redor. O roteiro é excelente, mesmo sendo longo e vale a pena conferir a fotografia e maquiagem do filme. Corram para assistir porque o filme é FODA.

SINOPSE
1822. Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano disposto a ganhar dinheiro caçando. Atacado por um urso, fica seriamente ferido e é abandonado à própria sorte pelo parceiro John Fitzgerald (Tom Hardy), que ainda rouba seus pertences. Entretanto, mesmo com toda adversidade, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança.

FICHA TÉCNICA
DIREÇÃO: Alejandro González Iñárritu
ROTEIRO: Mark L. Smith e Alejandro González Iñárritu
TÍTULO ORIGINAL: The Revenant
GÊNERO: Faroeste
DURAÇÃO: 2hrs e 36min
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 16 Anos
LANÇAMENTO: 04 de Fevereiro de 2016 (Brasil)


You Might Also Like

0 comentários

Instagram

Like us on Facebook

Flickr Images