A Nossa Amizade

20:45


“Nossa amizade era fácil, pura, inocente e absolutamente descomplicada. Éramos só eu e você e nossas risadas, eu e você e nossas piadas sem graça que fazia os dois rirem, eu e você e nossa sinceridade mal compreendida e timidez mal julgada. Então a gente se entendia, tínhamos as manias mais bizarras em comum, tínhamos apelidos fofos um para o outro, mas também nos xingávamos carinhosamente quando alguém fazia algo idiota. E era assim, fácil, leve como uma pena, engraçado e divertido. E então tudo mudou quando tomei nova perspectiva e me apaixonei por sua voz, seu sorriso, suas piadas idiotas, suas loucas histórias. Eu te via virando a esquina ao meu encontro e as borboletas que já faziam de mim seu próprio jardim se agitavam como se tivesse passando uma ventania dentro de mim. Eu compliquei, eu fiz ser difícil porque você era demais para mim e eu sabia disso. Eu jamais seria capaz de segurar alguém tão especial em minhas mãos com tanto cuidado sem que escorregasse pelos meus dedos, sem machucar, você era o famoso “muito areia para o meu caminhão” e ainda assim eu te queria com todas as forças do meu ser. Eu queria mais, mais que a leveza da amizade e a pureza das histórias contadas inocentemente, mas que às vezes me deixavam com um ciúme idiota. 

Na matemática as equações de mais costumam ser fáceis, porém na vida as vezes mais quer dizer menos, quer dizer perda, quer dizer nada. Eu estava apaixonada por você – droga – eu tinha que assumir isso a mim mesma porque eu jamais seria capaz de dizer a alguém. Não posso controlar meus sentimentos, posso me esconder, mas não posso fugir, posso tentar disfarçar, posso mentir e dizer que está tudo bem, deve ser algum sintoma do que estou sentindo, eu posso muita coisa, só não posso fingir que você me pertence.”

Thaís Augusto

You Might Also Like

0 comentários

Instagram

Like us on Facebook

Flickr Images